Proposição artística: Inhamor – Thereza Helena (MT)

Por Marianna Marimon

 

Sente-se à mesa que o espetáculo vai começar. O cenário remete a uma cozinha, com um armário de madeira em frente da mesa comprida rodeada de cadeiras. E ela nos apresenta o fio da narrativa: o inhame ou alocasia. São muitos os nomes que denominam as tuberculosas. A vida que começa debaixo da terra. Diferente da nossa.

Mas, de alguma maneira na peça Inhamor de Thereza Helena surge uma identificação com o inhame. Com delicadeza a atriz começa a descascá-lo enquanto conta a história da menina que não aceitava seu corpo e tinha vergonha de ir a praia de biquini.

O inhame é banhado na água, a menina se percebe pequena dentro do mar, diante da força da natureza. O inhame é cortado, como todos os corpos, de todas as mulheres que vieram antes e virão depois. Com todos os outros ingredientes, o inhame vira pão. Mas a metáfora está lá. E o inhame derruba umas lágrimas pesadas, contidas, dos meus olhos cansados em ver essa mesma cena, como uma representação da minha própria vida.

Esse sentimento de inadequação é muito forte para as mulheres. Além das nossas próprias expectativas e sonhos, precisamos lidar com toda a pressão do mundo. É preciso ser muito mais, mesmo que isso não represente ser você mesma. Bombardeadas por padrões impraticáveis de beleza e por práticas violentas ao corpo, as mulheres precisam se enquadrar nesta fôrma. Se você não estiver na fôrma sentirá vergonha, medo, culpa. Você não se encaixa. Mas ei, talvez essa seja a melhor notícia que você poderia ter.

A peça me tocou. E enquanto vejo o inhame ser triturado pelo liquidificador penso o quão simbólico é este triturar que se assemelha a destruição dos nossos corpos. Ela termina o pão. Mas não termina a história. Narra aquilo que é tão comum na sociedade, práticas banais, rotineiras para a mulher: use salto alto, depile as pernas, axilas, virilha, tire as sobrancelhas. Encaixe-se. Padrão, padrão, padrão. Fôrma, fôrma, fôrma.

Começa lentamente a se desmontar: tirar o lenço do cabelo, o avental, e então, debaixo da camisa ela revela um espartilho, que desenrola lentamente de seu corpo, soltando-se, experimentando a liberdade da pele. Nesta cena a dor invade todos os meus sentidos e meus olhos novamente ficam pesados. Antes de sair da peça pergunto do que era feito o espartilho, e ela responde que o fez com arame de rede de galinheiro.

Partilhamos o pão de inhame com um chá de hibisco. E mesmo que tudo pareça tão simples: o cenário, a narrativa, a metáfora do inhame com a mulher, a peça “Inhamor” revela toda a potência feminina que é insistentemente calada. Mas também podemos vislumbrar todo o amor que existe neste corpo de mulher, violentado por gerações e gerações que vilipendiaram a nossa natureza selvagem.

Enquanto fazia a massa do pão, quando todos os ingredientes se uniram, ela deu o nome a todas as mulheres da mesa, nos devolvendo o sentido de integração, de que pertencemos umas as outras, de uma conexão que transcende qualquer vida. E brindamos ao amor (e ao inhame).

 

 

– Texto escrito para o site cidadão cultura  , a partir da programação da Sesc Semana de Formas Animadas, na data 08 /11/2016.

 

 

 

 

Anúncios